segunda-feira, abril 6

Aplicativo traz informações sobre serpentes de Minas Gerais

O aplicativo “Serpentes de Minas Gerais” se baseia em perguntas que vão levar o usuário a descobrir, por meio das características das serpentes apresentadas, se elas são ou não peçonhentas.

serpentes de minas gerais

“Serpentes de Minas Gerais” é o nome do aplicativo lançado pela Fundação Ezequiel Dias (Funed) que traz um apanhado das cobras mais comuns que podem ser encontradas no estado.

A bióloga e idealizadora do “Serpentes de Minas Gerais”, Giselle Cotta, explica que a função do novo App é justamente mostrar as características das cobras que podem ou não provocar acidentes.

“O aplicativo se baseia em perguntas que vão levar o usuário a descobrir, por meio das características das serpentes apresentadas, se elas são ou não peçonhentas. Informações como a presença ou ausência da fosseta loreal, cor do animal e forma da cauda são alguns dos traços observáveis”, ilustra.

O App “Serpentes de Minas Gerais” pode ser usado tanto por profissionais da saúde que estejam fazendo algum atendimento à pessoa vítima de acidente, quanto por moradores de regiões rurais ou pessoas que gostam de fazer trilhas e que cruzam frequentemente com esses animais.

A linguagem lúdica e de fácil compreensão do aplicativo “Serpentes de Minas Gerais” permite até mesmo que crianças usem o dispositivo em atividades pedagógicas com o objetivo de conhecerem melhor a fauna mineira.

O “Serpentes de Minas Gerais”

O “Serpentes de Minas Gerais” está disponível na loja da Funed no Google Play, pode ser facilmente encontrado no Portal da Fundação, e também pode ser acessado offline, o que permite que as pessoas confiram as informações mesmo em locais sem internet.

Além do caminho com as diversas informações e características, o usuário tem acesso a um glossário que explica diversos termos, como as diferentes dentições das serpentes, que podem ser áglifa, opistóglifa, proteróglifa e solenóglifa. O dispositivo também contém uma lista atualizada com os locais de atendimento em caso de acidentes com animais peçonhentos.

Além de Giselle, o bolsista Leonardo Carvalho, a ex-bolsista Layane Martins e a bióloga Flávia Cappuccio participaram da equipe que idealizou o App. “Este aplicativo pode ser o embrião para diversos dispositivos que poderão mapear as espécies presentes em outros estados do país. Atualmente, apenas Rio Grande do Sul e Pará possuem um levantamento parecido”, aponta a pesquisadora.

Conheça também dois outros aplicativos desenvolvidos pela Funed: “Mundo dos Venenos” e “Cobra Coral”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *