terça-feira, dezembro 10

Decreto permite venda do Queijo Minas artesanal em todo o país

Até então, a comercialização de produtos artesanais, como o queijo minas artesanal, era limitada ao município ou estado em que o alimento é feito e inspecionado. Com a regulamentação, os produtos poderão ser vendidos em diferentes estados, desde que tenham o Selo Arte. 

queijo minas artesanal jornaldomingo.com.br

O Decreto Federal nº 8.818, publicado neste mês, que regulamenta o chamado Selo Arte, permitindo a venda interestadual de produtos alimentícios artesanais como queijos, mel e embutidos, beneficia diretamente os produtores de um dos principais patrimônios da gastronomia mineira: o queijo minas artesanal.

Até então, a comercialização de produtos artesanais, como o queijo minas artesanal, era limitada ao município ou estado em que o alimento é feito e inspecionado. Com a regulamentação, os produtos poderão ser vendidos em diferentes estados, desde que tenham o Selo Arte. A estimativa é que 170 mil produtores de queijos artesanais no Brasil sejam beneficiários diretos da regulamentação neste primeiro momento.

A regulamentação do Selo Arte  dá a chance ao comércio do queijo artesanal mineiro de sair da clandestinidade. Atualmente, apenas 280 queijarias estão cadastradas no IMA (Instituto Mineiro de Agropecuária) – órgão responsável pela inspeção sanitária estadual em Minas Gerais. A quantidade ainda pequena, em comparação ao universo dos que trabalham na manufatura de queijo Minas artesanal.

A coordenadora técnica estadual da Emater-MG, Maria Edinice Soares, acredita que o Selo Arte possa servir de incentivo aos produtores que querem legalizar suas queijarias junto ao órgão público estadual de inspeção sanitária, tendo em vista que a medida irá abrir o leque de opções de comercialização no Brasil desse queijo tipicamente mineiro.

“Com o certificado do IMA, o produtor pode comercializar dentro do estado. Com o Selo Arte, ele vai ter como acessar, por exemplo, mercados nacionais importantes como São Paulo, Rio de Janeiro e o Paraná, que é um grande comprador de queijo, bem como todo o país. Mas antes é preciso se cadastrar no órgão estadual”, explica.

Ela acredita que, naturalmente, o queijo cadastrado no IMA vai poder utilizar o selo federal. “O decreto é muito recente e o IMA está caminhando para criar as normas. Mas a principal delas deverá ser a queijaria cadastrada nesse órgão”, avalia.

Minas Gerais tem reconhecidas sete regiões caracterizadas como produtoras do queijo Minas artesanal. São elas: Araxá, Canastra, Serro, Triângulo, Campo das Vertentes, Cerrado e Serra do Salitre.

Conheça o modo de fazer o queijo minas artesanal neste vídeo produzido pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan).

Parte 1

Parte 2

Eliana Silva

Jornalista Responsável em Jornal Domingo
Formada em Jornalismo pela Univás (Universidade do Vale do Sapucaí) e pós-graduada em Gestão da Comunicação Empresarial pela FAI (Centro Superior em Gestão, Tecnologia e Educação).
Eliana Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *