segunda-feira, outubro 21

Inteligência competitiva ou mercadológica, o que é?

Nenhuma empresa sobrevive por muitos anos sem entender como explorar com um certo grau de maturidade o mercado que a cerca. Acompanhar as variações e movimentações dos concorrentes, fornecedores e clientes é o que garante que as estratégias, criadas internamente, reverberem positivamente em um mercado cada vez mais competitivo. É nesse contexto que se faz uso das metodologias de Inteligência Competitiva ou Inteligência de Mercado.

Acompanhar todas as informações disponíveis não é possível ou, se for, tem um custo alto demais e dificilmente proverá resultados interessantes. Afinal, alguém precisará cruzar todas as informações a fim de entregar algum insight. Por esse motivo é preciso priorizar aquilo que é mais relevante. Porém, chegar no que é mais relevante nem sempre é tão óbvio quanto parece.

“Inteligência competitiva é a capacidade de tomar boas decisões, atrelada a uma habilidade básica de antever o que acontece depois”. Charles Duhigg.

Dessa forma, o objetivo principal do processo de Inteligência Competitiva é disponibilizar inteligência ao tomador de decisão, gerando recomendações com base em eventos futuros e não somente mediante a compilação de informações que retratem uma situação do passado.

Com ênfase antecipativa, a Inteligência tem como base o monitoramento de todos os componentes do ambiente organizacional (econômico, ambiental, sociocultural, tecnológico, político e mercadológico), por meio da coleta, análise e disseminação de informações, de maneira a detectar as oportunidades e ameaças advindas deste, possibilitando ações que têm por finalidade a mitigação das ameaças e potencialização das oportunidades detectadas, garantindo a longevidade da organização por meio de uma posição competitiva distintiva.

Inteligência Competitiva, de maneira a possibilitar que o processo de tomada de decisão se transforme em vantagem competitiva para a organização, deve fornecer condições para que esta seja: rápida, compreensiva a toda a organização, economicamente viável, reversível em caso de insucesso e embasada em fatos e dados.

Para explanar essa temática vamos a um case real. Recentemente, em um trabalho que realizamos para o setor do agronegócio, foi possível levantar o potencial de vendas para uma determinada região, com base em diversos aspectos externos e internos (busca em diversos banco de dados, cruzamento de informações, etc). Somado a isso fizemos um levantamento dos concorrentes e o nível de rivalidade entre eles, com objetivo de determinar o posicionamento competitivo desses competidores. Nosso cliente então passou a ter um rx do seu setor e do mercado que pretende prospectar. Para realização deste projeto contamos com diversas metodologias de pesquisas. O resultado final foi um reposicionamento competitivo de nosso cliente, bem como um desenho de novas abordagens em vendas, além de ajustes em seu planejamento estratégico (2019).

Caso queira saber mais sobre o assunto, entre em contato.

Abraço a todos e excelente semana.

João Paulo Lopes

Coluna Vamos falar de gestão de empresas? em JornalDomingo.com.br
Consultor Empresarial. E-mail: joao.lopes@noussm.com
João Paulo Lopes

Últimos posts por João Paulo Lopes (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *