sábado, dezembro 14

É possível sua organização crescer dois dígitos?

Se a pergunta me fosse feita dois anos atrás certamente eu diria que era muito difícil em razão dos aspectos externos (política e economia) influenciando diretamente o consumo. As expectativas dos empresários em níveis baixos, enfim, um cenário de pouco investimento. Naquele momento o foco das empresas voltava-se para a redução de custos.

Entretanto, como tudo é cíclico, temos percebido algumas movimentações que norteiam as empresas para a retomada do crescimento (mesmo timidamente) para os próximos anos.  Alguns fatores ainda são preponderantes para isso (reformas da previdência e tributária). Outro aspecto que tem influenciado as empresas é que agora elas já ajustaram suas finanças no que diz respeito a corte de custos (pelo menos grande parte delas fizeram a lição de casa) e não há outro caminho senão o investimento para o crescimento.

E é justamente aí que cabe a questão. É possível crescer dois dígitos?

Sim, é possível, embora o desafio seja grande!

Mas outros aspectos influenciam a questão como, por exemplo, crescer para onde? Quais mercados? Quais produtos? Com que preço? Quanto o crescimento necessitará de recursos financeiros, tecnológicos e pessoas? Que direção tomar?

Existem dois meios de fazer uma organização crescer. Um, com recursos próprios, através de um modelo de expansão, e dois, através de recursos de terceiros, através de processos de M&A (fusões e aquisições). Quaisquer que sejam, dúvidas e incertezas são muitas e garantias são poucas. É nesse momento que o auxílio em busca de dados e informações se faz necessário. Criar cenários, planejar, estruturar equipe e, principalmente, avaliar quais mercados há maior probabilidade e possibilidade de inserção é uma tarefa que cabe aos executivos e gestores. Muitas vezes esses mesmos executivos e gestores desconhecem de ferramentas e métodos que podem auxiliá-los.

Todas as organizações trabalham atualmente com volumes de dados e informações que crescem exponencialmente, assim como a variedade e origem desses dados (estruturados e não estruturados, internos e externos). Ao mesmo tempo, é preciso trabalhar também com a escassez de dados e informações quando as organizações tentam se antecipar a ocorrências que poderão se concretizar no futuro.

Só temos dados disponíveis sobre o que já aconteceu! E isso tira o sono de muitos executivos!

Então, como equalizar essas e outras questões?

Atualmente muitos são os trabalhos que temos realizado nesse sentido, auxiliando executivos e gestores a identificar potenciais de negócios e concretizá-los efetivamente, através de técnicas e gestão por resultados. Disciplina e foco é o que nos orienta.

Abraço e excelentes negócios a todos.

João Paulo Lopes

Coluna Vamos falar de gestão de empresas? em JornalDomingo.com.br
Consultor Empresarial. E-mail: joao.lopes@noussm.com
João Paulo Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *