segunda-feira, outubro 21

Comportamento

Mulher agredida em carro vai receber R$30 mil do ex-namorado

Mulher agredida em carro vai receber R$30 mil do ex-namorado

Comportamento
Decisão triplica valor fixado em primeira instância Uma mulher agredida pelo namorado, um médico oncologista, deverá receber dele uma reparação de R$ 30 mil pelos danos morais. O homem também foi condenado na esfera criminal e teve de cumprir prisão domiciliar por 4 meses. Ela é policial militar natural de São Paulo e residente em Minas. A jovem, com 20 anos à época, relatou nos autos que ela, o então namorado e um primo do rapaz voltavam de carro da cidade de Andradas, no Sul de Minas. Eles se desentenderam quando o celular do médico sinalizou o recebimento de uma mensagem. Ao pegar o celular para averiguar o conteúdo da notificação, a moça foi agredida pelo parceiro, verbal e fisicamente. Depois de vários golpes, ela foi jogada para fora do carro, na rodovia, de madrugada. A vítima
Aplicativo FaceApp pode abrir porta para abusos com dados dos usuários

Aplicativo FaceApp pode abrir porta para abusos com dados dos usuários

Comportamento
Especialistas alertam que FaceApp  traz uma série de riscos, já que a navegação do usuário passa a ser totalmente rastreada. Nos últimos dias, imagens de pessoas em versões mais velhas delas mesmas viraram a nova febre das redes sociais no país. O responsável por isso foi o aplicativo Faceapp, ferramenta para edição e aplicação de filtros a imagens, como a simulação das faces em idades mais avançadas ou em outros gêneros. Contudo, seu funcionamento e suas normas internas podem abrir espaço para abusos no uso e compartilhamento dos dados de seus usuários. A política de privacidade do app traz informações sobre quais dados são coletados e quais são os usos possíveis. Segundo o documento, são acessados as suas fotos e “outros materiais” quando você posta. Quais outros materiais? O docum
97% das mulheres já sofreram assédio em transporte público e privado, aponta pesquisa.

97% das mulheres já sofreram assédio em transporte público e privado, aponta pesquisa.

Comportamento
Olhares insistentes, cantadas indesejadas, comentários de cunho sexual, perseguição e até mesmo passadas de mão ou homens que se esfregam no corpo da mulher. Estas são algumas das mais variadas situações relatadas numa pesquisa sobre a violência contra a mulher no transporte. Na pesquisa divulgada pelos Institutos Patrícia Galvão e Locomotiva, em parceria com uma empresa de transporte por aplicativo, 97% das mulheres entrevistadas disseram já terem sido vítimas de assédio em meios de transporte. Outras 71% conhecem alguma mulher que já sofreu assédio em público. Segundo o levantamento, 72% das entrevistadas dizem que o tempo de locomoção entre a casa e o trabalho influenciam na decisão de aceitar um emprego ou permanecer nele. Ainda assim, 46% das entrevistadas não se sentem confiantes
Você tem o hábito de roer unhas? Atenção!

Você tem o hábito de roer unhas? Atenção!

Comportamento, Saúde & Bem Estar
Se você respondeu “Sim” a esta pergunta, fique atento! O desejo incontrolável de roer unhas, com repetição excessiva e desnecessária, é sinal de alerta de que algo vai mal. Este hábito compulsivo, chamado também de Onicofagia, afeta de 20 a 30% da população, com maior incidência entre as mulheres. “Isso tem que ser olhado com atenção, pois quem apresenta algum comportamento compulsivo, como a onicofagia, geralmente está tentando compensar um estresse, afastar uma ameaça, eliminar a ansiedade ou até mesmo obter prazer e satisfação. Muitas vezes este hábito está também relacionado com outras doenças psiquiátricas que nem sempre são diagnosticadas”, alerta a neuropsicóloga de Pouso Alegre Thaís Muniz Ferreira de Godoy. Quem tem o hábito de roer unhas sabe que é difícil deixar a mani
Homofobia: agressão contra LGBT agora é crime de racismo

Homofobia: agressão contra LGBT agora é crime de racismo

Comportamento, Notícias, Semana
Supremo determinou que casos de agressões contra o público LGBT sejam enquadrados como o crime de racismo até que uma norma específica seja aprovada pelo Congresso Nacional. Após seis sessões de julgamento, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem, dia 13, criminalizar a homofobia como forma de racismo. Ao finalizar o julgamento da questão, a Corte declarou a omissão do Congresso em aprovar a matéria e determinou que casos de agressões contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis) sejam enquadrados como o crime de racismo até que uma norma específica seja aprovada pelo Congresso Nacional. Por 8 votos a 3, os ministros entenderam que o Congresso não pode deixar de tomar as medidas legislativas que foram determinadas pela Constituição para combater ato
Contrato de namoro: você conhece?

Contrato de namoro: você conhece?

Comportamento, Locais
Embora o contrato de namoro seja utilizado por algumas pessoas na tentativa de se resguardar de uma possível demanda judicial, advogados consultados pelo Jornal Domingo consideram este tipo de documento desnecessário e até nulo. No Dia dos Namorados, o romance está no ar! Mas é também nesta data que alguns assuntos não tão agradáveis ganham destaque. O controverso contrato de namoro é um deles. Você já ouviu falar? Hoje em dia há uma tendência de os casais registrarem em contratos o que há de específico em suas relações. Mesmo pouco difundido, o contrato de namoro tem sido utilizado por alguns na tentativa de se resguardar de uma possível demanda judicial. No documento, o casal deixa claro que a relação amorosa entre eles é apenas um namoro, sem intenção de casamento ou coisa mais séri
Vingadores: Ultimato – qual o segredo do sucesso?

Vingadores: Ultimato – qual o segredo do sucesso?

Comportamento, Entretenimento e Cultura
*Marcelo Cunha Com apenas dois meses de lançamento e 2,683 bilhões de dólares de bilheteria, o filme Vingadores: Ultimato está próximo de se tornar o maior sucesso do cinema mundial de todos os tempos. Mas o que faz um filme ganhar tamanha audiência, em tantos países e culturas diferentes? Os filmes de heróis viraram uma febre. Parece existir uma identificação nossa com esses personagens indestrutíveis e superpoderosos. Algo que não havia antes. A todo o momento vemos nos jornais ameaças que só pensávamos serem possíveis em filmes de ficção: catástrofes climáticas, epidemias, atentados, etc. Cadê os super-heróis para nos defender? (Já que boa parte do mundo não acredita mais em algum deus, ou deuses que lhe valham...). Parece que um filme assim consegue tocar a necessidade humana de
MÃES: DIFERENTES E AO MESMO TEMPO TÃO IGUAIS!

MÃES: DIFERENTES E AO MESMO TEMPO TÃO IGUAIS!

Comportamento, Locais
Mães de diferentes gerações falam de suas experiências com a maternidade Três mães de Pouso Alegre falam sobre a experiência delas com a maternidade e educação dos filhos. De gerações diferentes, Leda (62), Evanise (49) e Talita (28)  educaram e educam seus filhos cada uma a sua maneira. Mas uma coisa é certa: no que diz respeito ao amor incondicional que sentem pelos filhos e ao instinto protetor nada muda. Mães são sempre mães! Foi na tranquilidade da Ipatinga dos anos 80, na região Norte de Minas onde morava, que Lêda Maria de Oliveira J. Ribeiro (62), na época com 26 anos e dois de casada, teve sua primeira filha – Mariana (36). Já em Pouso Alegre, nasceu sua segunda filha – Maríllia (32). “Sou aquela mãe coruja, protetora, que gosta de ter as filhas sempre por perto. Nasci para