segunda-feira, novembro 18

Colunas

A ameaça do medo na Psicoterapia

A ameaça do medo na Psicoterapia

Colunas, Colunistas, Prof. Dr. Rodrigo Fonseca
"O medo ameaça. Se você ama, terá AIDS. Se fuma, terá câncer. Se respira, terá contaminação. Se bebe, terá acidentes. Se come, terá colesterol. Se fala, terá desemprego. Se caminha, terá violência. Se pensa, terá angústia. Se duvida, terá loucura. Se sente, terá solidão". - Eduardo Galeano O medo sempre será um sentimento necessário. Às vezes, até mesmo um mal necessário. Sentir medo é o mesmo que estar diante de seu próprio abismo. Nietzsche, nos seus aforismos filosóficos, dizia que o abismo nos chama toda vez que olhamos para ele. Mas olhar para o abismo depende do quanto somos capaz capazes de suportar a angústia inoportuna do medo. São palavras que nos ameaçam, fantasias que nos proíbem ou até mesmo obsessões que nos paralisam. O medo ameaça, impõe obstáculos ao nosso desejo, cria
Sistemático, eu?

Sistemático, eu?

Colunas, Colunistas, Leandro Alkimin
Certa ocasião fui visitar meu pai. Quando cheguei, ele estava abrindo um pacote que tinha acabado de receber do correio com um estilete, em cima da mesa de jantar.  Era a maquininha de etiquetar que ele havia comprado pela internet.             - Olha que bacana. A gente digita o que quer, e ela imprime uma fita auto-adesiva que a gente pode colar onde quiser! Dá pra escolher até o tipo de letra!             Dentro da caixa ainda haviam fitas de várias cores: cinza, azul, vermelho.             - Bacana, pai. Mas me diz uma coisa: pra quê você comprou isso?             - Preciso etiquetar umas coisas, ué. Óbvio.             Não levei o assunto pra frente, pois não entendia que diabos um homem aposentado queria tanto etiquetar. Fiquei até tentando imaginar, mas fui pra casa sem question
Só precisa de fogo

Só precisa de fogo

Colunas, Colunistas, Ronaldo Rossi
O churrasco é algo tão democrático que pode ser feito até sem carne. Legumes ficam incríveis na brasa, frutas podem ser preparadas para estarem nas saladas que acompanham o churrasco ou como sobremesa Todas as histórias contadas sobre a gastronomia e a evolução do homem começam da mesma forma: reuníamos-nos ao redor de uma fogueira para compartilhar o resultado das caçadas. Faz todo o sentido essa socialização,  principalmente em uma época sem conservação de alimentos. Sem contar que a exposição do alimento ao calor melhora a sua digestibilidade e o seu sabor. Animais que, no início, eram caçados, foram domesticados. O fogo foi controlado e, muito tempo depois, outros elementos passaram a ser utilizados para melhorar o sabor, incluindo o sal que para os mais conservadores é o único temp
Como é difícil passar cantada em loiras !!!

Como é difícil passar cantada em loiras !!!

Celso Gama, Colunas, Colunistas
H - Oi gata... Qual é seu telefone? L - Nokia. E o seu? H - Uau! Isso aqui é uma calçada ou uma passarela de moda? L - Hum, agora você me pegou... É que eu não sou daqui. Então não sei te               informar... H - Eu não tiro o olho de você! L - Ainda bem, né? Senão eu fico cega! H - Nossa! Eu não sabia que boneca andava! L - Sério? Nossa você tá por fora, hein? Já tem até Barbie que anda de bicicleta! H - Que curvas, hein! L - Nem me fala... Eu bati o carro 7 vezes pra chegar nessa festa! H - Esse seu vestido vai ficar lindo jogado no chão do meu quarto! L - Quer comprar igual pra fazer um tapete? Eu te indico a loja... H - Quer beber alguma coisa? L - Ai, que bom que você apareceu, garçom! H - Eu quero o seu amor, gata! essa é a melhor L - Espera só um pouquinho... Am
É possível sua organização crescer dois dígitos?

É possível sua organização crescer dois dígitos?

Colunas, Colunistas, João Paulo Lopes
Se a pergunta me fosse feita dois anos atrás certamente eu diria que era muito difícil em razão dos aspectos externos (política e economia) influenciando diretamente o consumo. As expectativas dos empresários em níveis baixos, enfim, um cenário de pouco investimento. Naquele momento o foco das empresas voltava-se para a redução de custos. Entretanto, como tudo é cíclico, temos percebido algumas movimentações que norteiam as empresas para a retomada do crescimento (mesmo timidamente) para os próximos anos.  Alguns fatores ainda são preponderantes para isso (reformas da previdência e tributária). Outro aspecto que tem influenciado as empresas é que agora elas já ajustaram suas finanças no que diz respeito a corte de custos (pelo menos grande parte delas fizeram a lição de casa) e não há o
Nova Lei do Distrato Imobiliário

Nova Lei do Distrato Imobiliário

Colunas, Colunistas, Júnior Rosa
Caros leitores, em dezembro de 2018 foi sancionada a chamada ”Nova Lei do Distrato” (lei 13.786/2018) que regulamenta o distrato imobiliário para o cliente que desistir da compra de um imóvel. Esta lei veio na esteira da imensa crise que se abateu sobre o setor imobiliário a partir do ano de 2014, quando o volume de distratos bateu recordes, levando grandes incorporadoras à beira da falência. Pois bem, em linhas gerais, a lei agora endureceu os termos para distratar os imóveis negociados na planta, sendo que em alguns casos o comprador que quiser distratar poderá deixar até 50% do valor pago à construtora como multa, caso o regime da incorporação adotado seja de patrimônio de afetação – no qual os valores pagos pelos compradores de um empreendimento são destinados exclusivamente para a s
A aposentadoria especial está com os dias contados…

A aposentadoria especial está com os dias contados…

Colunas, Colunistas, Maristela de Brito
A aposentadoria especial dos trabalhadores da iniciativa privada vinculados no Regime Geral de Previdência Social, que trabalham expostos a agentes nocivos à saúde ou a integridade física está sendo discutida na Proposta de Reforma da Previdência Social, e traz novas regras para a concessão deste benefício previdenciário. Pelas regras atuais, a concessão do benefício da aposentadoria especial depende da comprovação durante os 15, 20 ou 25 anos, do tempo trabalhado com exposição aos agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou a associação de agentes prejudiciais à saúde ou a integridade física, sem a exigência de uma idade mínima para se aposentar. Permite ainda, a conversão do tempo especial em comum com a aplicação do fator multiplicador mais vantajoso para o segurado do INSS, conf
A volta às origens

A volta às origens

Colunas, Colunistas, Ronaldo Rossi
Vivemos em constantes ciclos. Ao mesmo tempo em que buscamos novidades, fazemos um resgate de momentos marcantes. Muito disso pode ser exemplificado olhando para as tendências da moda. O que hoje é desejado, ontem saiu da moda, mas anteontem era muito parecido com o que é sucesso hoje. Na gastronomia os ciclos são mais longos. Tivemos a febre do tomate seco, da gastronomia molecular, dos alimentos orgânicos e, mais recentemente, trouxemos à tona algo que nunca deveria ter saído de evidência: os produtos artesanais. Entre hambúrgueres, queijos, embutidos, cervejas, cachaças, geleias e uma infinita gama de produtos, podemos perceber que o consumidor tem buscado esses produtos, sempre que possível, por entender que mesmo com um preço um pouco mais alto, o valor que essas delícias carregam é
J. Teixeira Filho: um homem temporão

J. Teixeira Filho: um homem temporão

Colunas, Colunistas, Leandro Alkimin
- Dormiu bem? - Dormi sim! - Com quem? - Ué, com a mesma encrenca de sempre! - E o quê você achou? Era assim que ele cumprimentava praticamente todo mundo - independente de idade, sexo ou até de nacionalidade. Era um protocolo a ser seguido. Uma espécie de marca registrada. Homem de muitas facetas: médico por opção, escritor por diversão, poeta por paixão. Ativista político anti-esquerdista fervoroso: - Se você quer ser comunista ou socialista, faça isso até os 21 anos de idade porque depois pega mal pra burro! Destilava seu humor ao mesmo tempo ácido e refinado em encontros, páginas de jornal ou no seu “blog”. Ninguém escapava. - Doutor, coisa mais estranha. De uns tempos pra cá tenho passado mal, fico um pouco fraca, meio tonta, vomitando… Tomo um suco de fruta
O governo reagiu bem à crise na Amazônia?

O governo reagiu bem à crise na Amazônia?

Colunas, Colunistas, Igor Prado
O Deputado Federal por Minas Gerais Tiago Mitraud (NOVO) foi preciso ao falar dos dois dados divulgados a respeito da Amazônia pelos principais campos da batalha política, enquanto a oposição destacou que as queimadas de 2019 são as maiores da década, o governo enfatizou que a média dos focos de incêndio deste ano (janeiro-agosto) é menor que a média obtida nos últimos quinze anos. Para esse conflito de posições, argumentou o deputado mineiro: “A escolha sobre qual dado alardear depende de qual narrativa se deseja contar e não da busca pela solução do problema”. Pois bem, então como buscar a solução do problema? Existem duas frentes de trabalho: a primeira no plano interno, em que o governo deve buscar estabelecer um plano de ações em conjunto com os atores diretamente relacionados às que