sexta-feira, setembro 20

Autor: João Paulo Lopes

É possível sua organização crescer dois dígitos?

É possível sua organização crescer dois dígitos?

Colunas, Colunistas, João Paulo Lopes
Se a pergunta me fosse feita dois anos atrás certamente eu diria que era muito difícil em razão dos aspectos externos (política e economia) influenciando diretamente o consumo. As expectativas dos empresários em níveis baixos, enfim, um cenário de pouco investimento. Naquele momento o foco das empresas voltava-se para a redução de custos. Entretanto, como tudo é cíclico, temos percebido algumas movimentações que norteiam as empresas para a retomada do crescimento (mesmo timidamente) para os próximos anos.  Alguns fatores ainda são preponderantes para isso (reformas da previdência e tributária). Outro aspecto que tem influenciado as empresas é que agora elas já ajustaram suas finanças no que diz respeito a corte de custos (pelo menos grande parte delas fizeram a lição de casa) e não há o
Inteligência competitiva ou mercadológica, o que é?

Inteligência competitiva ou mercadológica, o que é?

Colunistas, João Paulo Lopes
Nenhuma empresa sobrevive por muitos anos sem entender como explorar com um certo grau de maturidade o mercado que a cerca. Acompanhar as variações e movimentações dos concorrentes, fornecedores e clientes é o que garante que as estratégias, criadas internamente, reverberem positivamente em um mercado cada vez mais competitivo. É nesse contexto que se faz uso das metodologias de Inteligência Competitiva ou Inteligência de Mercado. Acompanhar todas as informações disponíveis não é possível ou, se for, tem um custo alto demais e dificilmente proverá resultados interessantes. Afinal, alguém precisará cruzar todas as informações a fim de entregar algum insight. Por esse motivo é preciso priorizar aquilo que é mais relevante. Porém, chegar no que é mais relevante nem sempre é tão óbvio quanto
Em que momento pensar em vender a empresa?

Em que momento pensar em vender a empresa?

Colunistas, João Paulo Lopes
Embora muitos empresários desenvolvam seus modelos de negócios pensando na perpetuidade do negócio, ou seja, passar seu empreendimento para os filhos, netos é importante avaliar as oportunidades que rondam sua empresa. Toda organização quando atinge determinado nível de maturidade em gestão (governança) passa a ser observada por outros players e é nesse momento que bate a dúvida: vender a empresa? Avaliando o atual cenário, mesmo diante de uma crise que assombra alguns setores, o mercado de M&A (fusões e aquisições) continua em alta. Para 2019 a expectativa é de aumento no número de transações que envolvem as modalidades de fusões, aquisições e incorporações. Mas, para aproveitar e surfar nessa onda, o caminho é complexo e envolve vários processos que devem ser respeitados de acordo c
Novos nomes para velhos processos

Novos nomes para velhos processos

Colunistas, João Paulo Lopes
Já algum tempo venho observado as redes sociais e uma questão tem me chamado à atenção: o crescente número de terminologias, técnicas, códigos, etc, sobre o tema empreendedorismo, vendas e outros aspectos da gestão de empresas. A capacidade do ser humano em desenvolver novas roupagens para práticas já conhecidas é quase que infinita. São variações sobre o mesmo tema que quando dito por um especialista, se torna um novo mantra. A exemplo temos os inúmeros programas de Coaching, Design X, Y, metodologias ágeis, etc. Ao mesmo tempo que eu admiro (e sigo) a criação das novas teorias sobre administração, acredito que todo empresário deve ter sempre uma visão do que está por trás delas para saber filtrá-las: o que é realmente novo e pode lhe ajudar a entender o seu negócio, e o que é simplesmen
Sua organização também sofre dessa síndrome?

Sua organização também sofre dessa síndrome?

Colunistas, João Paulo Lopes
Você já parou para pensar onde estão concentradas as maiores dificuldades em gerir as organizações? Você já se deu conta que grande parte delas está relacionada à comunicação? Sabendo disso, ainda assim, sua empresa e sua equipe continuam a “patinar” em questões simples? E, por que isso acontece? Este assunto é sempre um grande desafio a ser enfrentado por todos os líderes e gestores de pequenas, médias e grandes empresas. Em um mundo onde a diversidade cultural, tecnológica, espiritual, sociológica é cada vez maior, talvez a maior complexidade em lidar com situações embaraçosas e que necessitem de decisão rápida é a capacidade desse gestor estar disponível e flexível o suficiente para encontrar a melhor saída. Em todos os grupos, equipes e/ou times, tem-se vários perfis de colaboradores