sexta-feira, setembro 20

Autor: Eliana Miranda

A mesa

A mesa

Colunas, Colunistas, Eliana Miranda
Nada é melhor na vida do que uma mesa posta com algumas guloseimas e gente interessante conversando. Nada é melhor do que uma boa e deliciosa conversa. Chega-se aos poucos, tomam-se seus lugares e a princípio uma conversa agitada para se perceber como cada um está levando a vida. Compartilhamos rapidamente alguns sofrimentos e tristezas, mas, por incrível que pareça, trazemos dentro de nós muito mais alegria, risos e brincadeiras. Enquanto comemos vamos “meiando” nossas conversas com os sabores experimentados. Tudo fica mais doce e mais delicado. No princípio tudo é mais paralelo, mas aos poucos, quando começamos a retirar de nossas almas os retalhos que vivemos, a conversa passa a ser o nutrir, o fortalecer, o enobrecer de amizades bem construídas. Risos, engasgos, emoções, gritos,
Envelhecer

Envelhecer

Colunas, Colunistas, Eliana Miranda
E o tempo passa... E quando percebemos, estamos envelhecidos ou envelhecendo. Envelhecimento é uma palavra temida, mas... Para lá estamos ou vamos todos nós. A geração de hoje está perdida no que significa estar ou ser velho. Velho – que palavra horrorosa!!! Meu Deus, o que faço para não aparentar a minha real idade!!! Aparentar??? Sim. Fazemos de tudo para tentar ludibriar o outro, na tentativa atroz de permanecermos jovens, mas... Interiormente, lá nos nossos ossos... A velhice se instala a partir dos 35 anos. A natureza não perdoa, mas nós???  Achamos que podemos ocultá-la. Vocês já escutaram mulheres e homens da “terceira idade” falarem de suas vidas sexuais??? Fico no meu canto, só escutando... Falam como se ainda estivessem com todo o fogo da adolescê
Aprendizado

Aprendizado

Colunistas, Eliana Miranda
Gente! A vida realmente é um eterno aprendizado. Quando ela me puxou o tapete, tive a sensação que iria me perder. Perder o chão, a cabeça, a vontade de viver, a respiração, a vida. Via-me sem rumo. Sem caminho. Sem objetivo. Aí, comecei a respirar, a perceber que o dia e a noite continuavam a acontecer, sem nenhuma modificação a não ser as já previstas. Percebi que estava ficando para trás. Percebi que a banda estava passando e eu nem olhando estava. Quem perdia? Depois de muito sentir, entendi que eu perdia. Perdia muito. Perdia tudo. Comecei a observar o que sentia. Comecei a perceber minha importância na vida de outras pessoas. Comecei a sentir que eu sou importante. Comecei a sentir que a vida ainda existia para mim. Comecei a perceber que não havia morrido e que minha vi
Exaltar-se

Exaltar-se

Colunistas, Eliana Miranda
E com tristeza me percebi sem controle. Deixei-me levar pela dor do meu coração misturado com os meus sentimentos de raiva. Engraçado, como não tenho domínio de certas feridas. Fui machucada há meses atrás e ontem, por causa de uma situação, revivi com força, descontrolei-me e me senti péssima. As palavras realmente têm uma força que não percebemos. Palavras marcam, ferem, machucam a alma. Estou sempre procurando viver com calma e deixando meu coração falar por mim. Mas… Não esqueço que tenho uma cabeça para pensar, medir, dividir, multiplicar. Sei que trago dentro de mim a ambiguidade de reações, mas desejo tanto ser correta comigo e com o outro, que quando algo me traz a parte que não gosto em mim… Passo muito mal. Não gosto que me julguem. Procuro estar em paz, para
Mulher

Mulher

Colunistas, Eliana Miranda
E assim, tivemos mais um dia das Mulheres. Choveu mensagens no face, no WhatsApp, na televisão, no jornal. Palavras e mais palavras para descrever a mulher moderna, contemporânea de hoje. Assunto principal: mulher atual. E assim… Com meus 60 e tantos anos… Penso… Só de termos um dia estamos sofrendo preconceito. Um dia para quê? O que ganhamos com este dia? - Uma rosa e mensagens? Queremos que todos saibam que gostamos de carinho, mas… Sabemos dar este carinho? Ou precisamos de uma intenção? Se necessitamos de uma intenção então… Não sabemos amar. Não sabendo amar, o que queremos do outro? A mulher de hoje é atarefada, mas… Seca, bruta, sem feminilidade. A mulher de hoje é independente, mas… Calcula, subtrai, divide. A mulher de hoje é… Triste. A mulher de hoje é… Sozinha.